sábado, 27 de novembro de 2010

a beleza de borrões

é que as nitidezes se perdem, nas tezes. é que o espaço das teses fica mínimo, quase nulo.  fronteira vira só palavra, e palavra feia. às vezes. se são plurais ou não. borrar a linguagem. isso se diz em algo. pode piorar. fica grande. fica difícil de engolir. é belo. mas meus dedos. isso fica grande. está grande. quero que escorra. e borre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário