sexta-feira, 10 de junho de 2011

tabaco para Morelli 66

Não sou nada.
Em partes, nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
Tenho, em mim,
os sonhos do mundo todos,
e dele todo.

Retalhos e sangue, não,
nada nada nada,
em absoluto: nada.

(Se eu casasse com a filha
da minha lavadeira
talvez fosse feliz.)

No fundo,
já sabia que não se pode
que não se pode ir mais além
ir mais além não se pode
já sabia

que não se pode ir mais
mais além já sabia
que não se pode
no fundo

(i'd rather not
not to)

já sabia que não se pode ir mais
além
que não se pode,


(i'd rather
i'd rather
i'd rather)


além
não se pode
não se pode
não se pode
porque não.



(Nota: Utiliza-se de trechos de O Jogo da Amarelinha, capítulo 66 de Julio Cortázar e de Tabacaria de Álvaro de Campos)

Nenhum comentário:

Postar um comentário