quinta-feira, 29 de setembro de 2011

tigre de papel

folha fina carbono marca-dedos
dobra amassa firme
recorta faz outras coisas

mas faz mal nenhum

Urgida

Tirar: a roupa,
arranhar: a pele,
de nada: adianta.

Nem mordida,
nem, beijo.

Não é assim que se vê mais
vida, mas eu insisto.

E um dia
te arranco a carne dos
ossos pra descobrir que

não
há mais
nada.



Base, palavras, texto: http://sickburningchild.blogspot.com/2011/09/lxxx.html

débitos

com o fogo-fátuo
nos dizem
terem fome

terça-feira, 27 de setembro de 2011

de altares

já não mais
(...diferença faz)
já tanto faz

se meu altar é uma taça de vinho
ou uma lira dourada

se o holocausto é de mim a mim

sábado, 24 de setembro de 2011

a mim

chega perto
diz que vem
e chega

apequena o buraco
tampa minha boca que fala demais
tampa meus olhos desesperados

me dá descanso,
me deixa exausto,
me faz.

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

modus operandi

Deglutir os demônios e dar à luz a mil bolhas coloridas translúcidas
Deglutir os demônios e dar à luz a mil bichos mágicos e lindos

da fé

Poesia
dá mais margem
espaço rio pro
indizível e
pro som cadência e pra forma
desenho

retrolucidez

o monstrinho que olha a própria barriga transparente
(a própria deglutição -
produção recomposição alimentação desintegração)

terça-feira, 20 de setembro de 2011

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

letra

tamanhos pesos bolores de repente o edifício
ao chão todo inteiro
cacos

antes fossem antes fossem
nacos
pra celebrar festim

as balas belas bolas
sangram mesmo fazem furos
sem doce
atravessam

me diz, me diz, me diz,
diz de novo que pra tirar de letra
basta mudar uma

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Um Movimento / Um Mover

Satisfação integral dos gestos de dança
dos pés giratórias que misturam estados de alma
das mãozinhas voadoras
das palmadas secas e precisas.




(retirado de Sobre o Teatro de Bali, de Antonin Artaud)

as caixas ocas

elas vêm de árvores
que eram vivas e são mortas
e viram caixas

elas ressoam sons
elas impressionam
elas são ocas
não tem sujeito dentro alma dentro nada dentro

palavrinha bacana

langor

domingo, 4 de setembro de 2011

vendados todos

e cada passo dado
vira mais um dado
na prancheta posto
fichado
escrutinado

ou entregue na mesa
e seis pontos
ou um só
olhando pra cima


quinta-feira, 1 de setembro de 2011