terça-feira, 27 de dezembro de 2011

bobeirinha

e eu não quero jamais perder minha doçura
(e que isso não seja como quando eu pensava que eu jamais largaria o videogame)

domingo, 25 de dezembro de 2011

tolo império te fiz todo

tomo-me eu dado a besteiras
tolo por ti, ele, outro,
qualquer pequeno detalhe bobo eu bobo você,
abobando, tomo-me escrevo letras estrelas em papel de pão,
coração, escravo,
diz seu nome seu segredo, plaga,
não descubro, me esconde, minha pele furos e chagas,
e tudo brilha, ainda brilha, até que vem o dia

seguinte,

vagalume...
vaguinho...!
apaga de uma vez
de uma vez só e ninguém
ninguém mais vê
e nunca mais
nunca mais viu e só
isso aqui que ficou
e ficou só isso aqui

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

felicidade

felicidade,
que eu te goze quando tu és,
e que bem saiba
viver sem tu a me fazer virar dança,
girar roda,
plantar bananeira,
semear terra,
arrastar poeira,

felicidade,
que eu bem me saiba sem ti,
que sempre em fuga,
areia,

a vida: essa fábula chinesa

a dúvida de se a sorte
e o azar
é azar
ou é sorte,

(é só jogar moedinha pros altos, é?
é questão de luneta, binóculo ou microscópio, é?)