domingo, 15 de julho de 2012

derrame

Quis escrever na minha pele
os versos que me rebentariam as carnes
e que fariam ver la verdad
de ossos e de rumos sem sinais
sem rimas e meus

passos fazem ressons em fundo de terra,
e tremor de terra
é meu calafrio, meu rodopio
de danças estelares

e chove novamente,
vejo uma estrela e eis ela
cadente,

e de meus poros jorrarão
cálidos mil
arcos-íris,
libélulas e reclames.