domingo, 19 de agosto de 2012

essa noite

quando eu quis recobrar
os desvarios de noites ontens

me veio à cabeça luzes e stares
de reluzes reis hoje magiares

Não que à auotoritaria de a
poesia
vá dizer rumos tais isso possa tomar

pois que somos elétricos e colamos
nas roupas velhas que tenhas nos
colares de sua avó

o lago afrente afronta ri
de seus sonhos de beleza para todos
e essa terra é de poucos, mas, diga

Não que a poesia
Vá pegar a culpa
Ou vergonha
Ou qualquer coisa cristã, no fundo
Disso

Nenhum comentário:

Postar um comentário