sexta-feira, 29 de abril de 2016

potlatch revisited


queimar tudo, tudo quanto se possa, seus maiores tesouros,
seu pai, seu marido, seu filho, seus livros, suas mantas,
seu trigo, seus figos,
suas cartas de amor,
sua coroa,
sua coleira,
todes colocando tudo a queimar
pelos bons augúrios, pela festa, para mostrar que se pode

"encantamento da trompa" no kula, retirado do ensaio sobre a dádiva de mauss

[Um estado de excitação apodera-se de meu parceiro]
Um estado de excitação apodera-se de seu cachorro,
Um estado de excitação apodera-se de seu cinto, 

quinta-feira, 28 de abril de 2016

esse tanto tango amor que reverbera assim me fechou como uma incógnita quase
e as coisas se atravessam mesmo,
se entremeiam,
se confundem,
linhas retas pur quá?,
vem ni mim, gaudí

sexta-feira, 22 de abril de 2016

nas noites secas

ó meu amor, eu vou
matar-te assim jovem como és
pra que tua alma seja, para sempre,
orvalho nas noites secas

quadrinha do despossuído

meu bem não pense você
que por ser pequeno meu verso
não lhe daria prazer

o sol é bem pequeninho,
veja lá,
e ilumina a terra toda

olhos, olhos, olhos

peep-show, creep-show, where did you get those eyes?
porquoi tu m'appelle janine alors que je m'appelle thérèse

ou,

porque me chamas do que não me entendo ser?

quinta-feira, 21 de abril de 2016

cisão
indecisão

benjamin in dawsey

"Benjamin (1985f:103) evoca a figura do "catador de lixo":
Temos aqui um homem: ele tem de catar pela capital os restos do dia que passou. Tudo o que a grande cidade jogou fora, tudo o que ela perdeu, tudo o que desprezou, tudo o que ela espezinhou — ele registra e coleciona. Coleta e coleciona os anais da desordem, a Cafarnaum da devassidão; separa e seleciona as coisas, fazendo uma seleção inteligente; procede como um avarento em relação a um tesouro, aferrando-se ao entulho que, nas maxilas da deusa da indústria, assumirá a forma de objetos úteis ou agradáveis.
Resíduos revelam uma história do esquecimento. O catador dos "restos do dia que passou" é capaz de fazer despertar a própria memória involuntária da cidade. Seu segredo? A cumplicidade com os objetos por ele colecionados — na iminência das "maxilas da deusa da indústria". Resíduos despertam esperanças adormecidas. Também são instrutivos. Diante das ruínas do passado e de suas histórias monumentais, descobre-se que nem mesmo deusas tão poderosas como esta são eternas. Suas maxilas também podem ser despedaçadas."


http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93132009000200002#nt14

domingo, 10 de abril de 2016

ai, eu atuei hoje, me deixa
nano dava voltas em torno de si mesmo
mas tocava violão, parecia
um cachorro amestrado, nano

pedia todas as tequilas, traçava
as rotas e cavava buracos, trigueiro
rosa anil, nano era tal nano