domingo, 18 de setembro de 2016

destinóides

morte em las vegas
bermuda colorida
mongolices na madrugada
o fugir de
o desencaixe
os desejos
gracias, islândia
cortes nos laços
derivações
destinóides

sábado, 17 de setembro de 2016

as gentes, quando cortam as unhas, guardam-nas aos punhados e as depositam do lado esquerdo de suas portas, da perspectiva de quem entra: é pra umbelina dolores comê-las.

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

e ela me disse
que os isqueiros perdidos
fazem parte de um ciclo cârmico
de ações e movimentos aparentemente desconexos
porém encadeados
goza arqueando o a região acima do lábio para o lado esquerdo superior

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

úrsula gertrudes

umbelina dolores tinha uma gata chamada úrsula gertrudes. úrsula gertrudes adorava apanhar passarinhos na mata. um dia, úrsula gertrudes trouxe a lua.

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

8x k

mágik
caótik
sísmik
atômik
elétrik
biônik
mímik
tóxik

umbelina dolores

_umbelina dolores, traga-me uma xícara de chá.
e ela trouxe.
_umbelina dolores, traga-me o jornal.
e ela trouxe
_umbelina dolores, traga-me o tabuleiro de xadrez,
e ela trouxe.

ainda aquela noite, mais tarde, umbelina dolores comeu olhos no jantar.

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

e também vocês

(estetoscópios
manjedouras
paralelepípedos azuis)

tocando radiohead
ruge o não, o na-não,
o micro não, o não pulsátil

quase túrgido
querendo ser
desengonçado, mas preciso

dizer (te a ti) tudo que está indo
vindo acontecendo tenho assim essa
compulsão de: dizer

(um atropelo, um volteio, um vale
e todas as quengas e todos os virados
carreata de destruição e babado e batekoo)

sucuri traçada pelos sete ventos e com nome de
deusa, sucuri mãe de todos os seres viverdinos e courados,
portanto nós, esses que sempre rastejam, todos e também vocês

porque sempre trocamos as peles, alguma vida pulsa,
porque permanecemos como dá, inventamos jeitos,

que fique claro, estamos
definitivamente
aí pra inventar jeitos
eu sou o senhor desengano

terça-feira, 6 de setembro de 2016

a terra, eu quero

semente flor e espinho, a planta come a terra, eu quero
ser a lesma do manoel de barros, me desfazer num rio,
ser qual polvo que solta tinta e imaginemos que
somos todos borrões, projetos tortos que o caos comeu,
roeu pelas bordas, qual ratazana, qual a cor do seu vestido?
borrão
borra de café que parece terra
e assopra os amanhãs pra incautos
me amanhece dedelírios jasmins opalas
versos árabes pulsos do carne palavras de deus enumerações caóticas que se me tomam e
ai que medo, ai que fogo, ai que sono, ai que nada, mas que nada,
sai da minha frente que eu quero passar, isso tudo aqui é
pedra, no meio do caminho tinha uma
qualquer coisa pra lá de marrakesh
casablanca me alcança
brumas que tomaram
avalon que outro dia me disse
névoa, muita névoa, lama, a barca,
ritual de abertura de mundo, mundo perdido,
qualquer desengano desenconto desencanto desesqueço estou
função vulcão unção caução junção estou louca
na realidade outra outro cabeça raspada
numa instituição
rogando
pela terra, pela terra, pela terra,
me leva, terra

qualquer deva

desenganos de sábados à noite
e atropelos de todas existências, entroncamentos,
nexos fluxos encruzilhadas arremates,
confluências, conjunções. conjugações,
que em outra paralela
dimensão como essa mas outra
ele teria também verde cabelo
o mesmo jeito de atropelo
e o habitus de maria juana
mas faria cênicas, segunda facul,
e via algum resíduo que escorre
eu só queria plasmar verso reverso inverso
sufocar os carolas com gozos dos mais torpes imensos
quantos chãos não amaríamos e por aí sementes a brotar, eu
sou o amanhã do amanhã do amanhã,
o além do amanhã, qualquer movimento é a frente e adentro,
se encontro cachoeira e poço, devo fazer uma parada,
água gelada, certamente, faz bem pra cuca,
não não não se esqueçam da canção,
qualquer dose, qualquer dote, qualquer dedo de moça,
qualquer deva, qualquer dano, qualquer pano pra troça,
viva a palhoça, viva a bossa, viva a paçoca, viva a jossa,
tal qual o menino também de cabelo verde
mas sem barba sabe-se lá porque,
estaria gravando um curta, e estaria namorando,
desamanhece outra vez, tudo correu