segunda-feira, 7 de novembro de 2016

coisa que se aberta

fardos no ombro,
farinha pouca, miada,
farenáites não sei converter - diz, qualquer coisa que se
converte
que se disserte que se disseque que se digresse
que se traia,
subindo pelos montes nos lombos de mulas,
dançando uma adivinhação, uma sina,
uma sentença que sentencie, uma que descaiba,
uma que transfigure derreta escorregue
goela adentro e

faça magias e murmúrios

fez-se a luz,
feridas na face,
ferrolhos de ouro, olhares,
fendas nas paredes e semáforos fora de lugar - diz, qualquer
coisa que se aberta faça
o mundo todo tremer

Nenhum comentário:

Postar um comentário